Casa do Cinza

"O amor não cogita de recompensa. É um sentimento que se basta." Dr. Odilon Fernandes


Deixe um comentário

Reencarnações de Emmanuel

  • Corria o ano de 33, Jesus, o meigo nazareno de cabelos longos, olhar meigo e voz suave,cumpria o seu ministério. Às margens do lago GENESARÉ, Públio Lentulos teve um encontro com Cristo. Fora interceder pela cura de sua filhinha FLÁVIA. Comovido e magnetizado por emoções que ainda desconhecia, nem conseguiu falar, ouve do Mestre: “Fora melhor que me procurasses publicamente e na hora mais clara do dia, para que pudesses adquirir, de uma só vez e para toda a vida, a lição sublime da fé e da humildade. Depois de longos anos de desvio do bom caminho, pelo sendal dos erros clamorosos, encontras, hoje, um ponto de referência para a regeneração de toda a tua vida. Está, porém, no teu querer* o aproveitá- lo agora, ou daqui a alguns milénios. Mas, ninguém poderá agir contra tua própria consciência, se quiseres desprezar indefinidamente este minuto ditoso!”Percebeu que Jesus orava. A partir dessa noite, a menina começou a melhorar sensivelmente, até restabelecer-se de todo. *LIVRE ARBÍTRIO Consequências desse encontro com o Divino Mestre: – A cura de Flávia. – Lívia, a esposa de Públio Lentulus, torna-se cristã. (Foi assediada por Pôncio Pilatos,mas manteve a sua fé; morreu na arena estraçalhada pelas feras). – Públio retorna às lides políticas, mas recusa- se a admitir ser Jesus o autor da cura. Quando desencarnou, numa erupção do Vesúvio, como foi narrado em detalhes no livro “Há Dois Mil Anos”, já sentia Públio Lentulus grande arrependimento. No livro “Cinqüenta Anos Depois” das ruínas de pompéia, vamos encontrá-lo sob a veste humilde de NESTÓRIO, escravo judeu de Éfeso. Estava o Senador de volta para o resgate de suas faltas e em busca da evolução. Foi na personalidade de Nestório, o judeu grego da Ásia Menor, o cristão humilde das catacumbas de Roma, que Emmanuel iniciou sua tarefa de Obreiro do Evangelho. Morreu na arena entre milhares de cristãos: crianças, jovens e velhos, servindo de espetáculo para a platéia. Retornou novamente às lides cristãs como o escravo Rufo, personagem do livro que se segue: “Ave Cristo!” Foi um dos mártires assassinados pelas autoridades romanas nas Gálias, pois instado a negar a crença no cristianismo, manteve a sua fé e como consequência foi atado à cauda de um potro bravio e arrastado até a morte. Sobre as vidas de EMMANUEL, existe uma lacuna de 13 séculos. Clóvis Tavares, que já regressou à pátria espiritual, era um dos poucos que conhecia algumas delas, conforme relata em seu livro “Amor e Sabedoria de Emmanuel”. Vários séculos se passaram, e segundo a psicografia idônea e credível de Francisco Cândido Xavier, Emmanuel, antes de reencarnar-se na vila portuguesa de Sanfins do Douro a 18 de outubro de 1517, naquele que iria chamar-se Padre Manoel da Nóbrega, visitou em espírito, o Brasil recém-descoberto; correu o vasto território do Oyapoque ao Chui, do mar as cordilheiras, contemplou as florestas, apiedou se dos indígenas e amou a Terra de Santa Cruz. Prepara-se para a grande missão que Deus lhe reservava. Aos 17 anos, em 1535, ingressou na Universidade de Salamanca- Espanha, e com 21 anos, em 1538 ingressou na Universidade de Coimbra, onde cursou Direito e Filosofia. Em 1549, já ordenado padre entra para a Ordem dos Jesuítas (criada para combater a reforma protestante), vem com Tomé de Souza para o Brasil.Fundação do Colégio de Piratininga. No romance quot;Renúnciaquot;, anos depois renasce Emmanuel em terra espanhola, onde prossegue em sua missão. É o Padre Damiano, sacerdote esclarecido e dedicado, vigário da igreja de São Vicente, em Ávila, a gloriosa cidade de Santa Teresa de Jesus. Damiano luta, dentro de seu invariável padrão de nobreza e equilíbrio, contra os
  • 5. cruéis mercadores de escravos, com a mesma coragem com que, na personalidade de Nóbrega, no Brasil, defendia os direitos e a liberdade dos indígenas. Sempre a mesma dedicação ao próximo, sereno, mas enérgico, destemido e corajoso. Contraindo implacável moléstia dos pulmões, o velho sacerdote veio a desencarnar em Paris, França. O espírito EMMANUEL colaborou na codificação espírita, tendo em 1861 transmitido a mensagem no capítulo XI,número 11 “AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO-O EGOÍSMO”, no Evangelho Segundo o Espiritismo. Há ainda que se fazer menção da grande obra que o espírito Emmanuel realizou no Brasil como mentor espiritual de Chico Xavier. ORAÇÃO FINAL: Obrigado senhor por mais esta vitória no senda do bem e na procura da saboria das coisas do espírito. A paz de Deus nos ilumine e nos guie.