Mensagens enviadas

Como os pensamentos positivos anulam os negativos?

Como os pensamentos positivos anulam os negativos?

Conversamos com um de nossos mentores espirituais, que se identificou como um Espírito Amigo, sobre como os pensamentos positivos anulam os negativos. Ele começou explicando que “qualquer pensamento gera formas. Somos grandes máquinas de gerar formas-pensamento”. A seguir você confere a íntegra de nosso bate-papo com o amigo espiritual.

1. Como meu pensamento interfere na minha vida?

a) Imagine que um médico diz que você tem câncer e um ano de vida;

b) Se você aceita e busca fazer o melhor que puder neste ano, isso vai gerar boas formas-pensamento;

c) Imagine uma notícia sobre um caso de corrupção. Se em vez de criticar, você pensar: “que pena que tal pessoa age assim” e orar por ela, ajudará a diminuir a quantidade gigantesca de pensamentos negativos que são emitidas para os políticos.

2. Mas essas injustiças deixam a gente até revoltado, não deixam?

a) É preciso ter cuidado com a revolta;

b) A revolta é uma das maneiras, muito intensa, de gerar formas-pensamento negativas;

c) Mas quando você imagina fazer algo errado você está gerando formas-pensamento mais intensas ainda do que com a revolta;

d) A revolta normalmente está relacionada a você, você não pensa nos outros —eis o egoísmo;

e) Já quando a sua revolta está direcionada a algo que ocorreu com outra pessoa, no fundo você está querendo o bem da pessoa —e a revolta vai fazer mal só para você;

f) É por isso que é preciso orar pelos políticos;

g) Os políticos que se corrompem não fazem ideia do mal que estão fazendo para eles mesmos;

h) Nunca fazemos o mal para os outros, mas só para nós mesmos;

i) Quanta gente está aprendendo a não agir como eles agem? Mesmo quando critica um político, você está fixando na sua mente: “não faça o mesmo”.

3. Qual a diferença entre olhar para o político e criticar, e olhar para o político e orar?

a) Pela crítica, a forma-pensamento é de revide, e isso nunca é bom;

b) Já a forma-pensamento que você emite quando ora é sempre positiva;

c) As formas-pensamento positivas ajudam a eliminar cem formas-pensamento negativas que tenham chegado até ele;

d) Além disso, ao orar por alguém que erra você está perdoando e compreendendo o erro —portanto, está realmente aprendendo.

4. O quê? Eu aprendo quando oro por alguém que está fazendo uma coisa errada?

a) Sim! Ao orar por alguém que erra, você está se iluminando também, está aprendendo de verdade;

b) Só assim você poderá ter certeza que, caso se torne um político, nunca vai fazer aquilo que eles fizeram;

c) Ao passo que se você critica, você está vendo que aquilo é errado, mas não está fazendo a análise correta da situação.

5. Você quer dizer que se eu critico um político corrupto é porque eu posso ser corrupto também?

a) Exatamente. Ao criticar, você está entendendo o mal pelo mal, e não como coibir o mal;

b) Se você não aprende a coibir o mal pelo bem, então você não está ainda assimilando aquele aprendizado;

c) Dessa forma, você corre o risco de vir como político em outra encarnação e fazer a mesma coisa que eles fazem;

d) Por isso é que o perdão é tão importante, e deve ser sempre incondicional.

6. Mas se eu deixar de apontar o mal, como vamos conseguir corrigir e pacificar o mundo?

a) Se você continua querendo coibir o mal com o mal, você não pacifica um ambiente;

b) E se você não pacifica, não faz jus a viver em um ambiente de paz;

c) Então, pacificando, você voltará numa próxima encarnação em um ambiente de paz;

d) Além de aprender o bem, você vai ter uma estrutura cultural pacífica, que vai te ajudar a vencer as suas tendências negativas com muita força;

e) Ao passo que se você analisa o mal pelo mal, não vai conseguir numa próxima encarnação voltar num ambiente de paz;

f) E para não incidir no erro, terá que fazer um esforço muito grande —terá que passar por uma série de percalços na vida para aprender a ser tolerante;

g) Lembre-se que a Caridade apaga a multidão de pecados.

7. Você falou há pouco que um pensamento bom consegue anular a influência de cem ruins. Como isso acontece?

a) Um pensamento bom anular cem ruins é uma questão de potencial fluídico;

b) Potencial é a capacidade de fazer algo;

c) Por exemplo: como vocês medem a potência elétrica? Em Watts;

d) Quando você mentaliza uma coisa ruim, por mais força que você imprima a seu pensamento, você nunca chegará a uma potência muito alta;

e) Este limite a própria lei divina impõe aos ambientes—é a Lei da Mínima Dor;

f) Ao emitir um pensamento negativo para os políticos, suponha que o máximo que você consiga atingir é uma concentração de 50 Watts;

g) Mesmo que você ainda tenha dificuldade de emitir bons pensamentos, se você faz uma oração breve e pede ao Pai que ilumine os políticos —isso qualquer um pode fazer—, o potencial mínimo do pensamento que você emite neste momento é de 5.000 Watts;

h) Portanto, seu pensamento positivo teve 100 vezes mais potencial que o pensamento negativo;

i) Com treinamento, você pode eliminar até 1 milhão de pensamentos negativos;

j) É a boa intenção que faz gerar todo esse potencial.

8. Nossa! E existe mais pensamento positivo ou pensamento negativo no mundo?

a) O pensamento positivo de Jesus consegue superar a soma dos pensamentos negativos de todo mundo aqui na Terra —e ainda sobra bastante potencial de pensamento positivo;

b) Se não for assim, como manter o controle do planeta?

c) O bem, na criação de Deus, sempre sobra, nunca falta. E o mal é sempre limitado;

d) A luz sempre dissolve as trevas, lembre-se sempre disso, em no mínimo cem por um;

e) Por isso a oração, a boa intenção, o pedido para que as pessoas consigam entrar em um processo de equilíbrio —tudo isso é muito importante.

Enviado por Equipe do Blog 26/11/2012

Fonte: Blog dos Espíritos

Anúncios
Bezerra de Meneses, Mensagens enviadas

Mundo de Regeneração já começou, diz Bezerra de Menezes

Mundo de Regeneração já começou, diz Bezerra de Menezes

Desde o dia 18 de abril de 2010 já vivemos aqui na Terra o Mundo de Regeneração. A confirmação chegou até o plano físico em mensagem de Bezerra de Menezes, pela psicofonia de Divaldo Franco, no encerramento do 3º Congresso Espírita Brasileiro em Brasília (DF), no mesmo dia.

Desde o final do século 20 o Apocalipse é um tema atual. Porém, com o agravamento dos processos climáticos e geológicos e ainda a proclamada nova data para o “fim do mundo” —dezembro de 2012—, tivemos o trabalho de pesquisar nas obras psicografadas pelo nosso querido Chico Xavier para ver se encontrávamos algo a respeito.

Qual nossa surpresa, porém, ao descobrir que nosso querido Bezerra de Menezes, através do confiável médium Divaldo Franco, ratificou o que nossos guias espirituais já diziam —o novo Ciclo de Regeneração realmente começou. E, segundo Emmanuel, na obra “Plantão de Respostas“, deve estar completamente instaurado até meados deste século.

Estamos, portanto, em um período de transição entre o Mundo de Expiação e Provas e o Mundo de Regeneração. Ainda passaremos grandes tribulações físicas e morais. Mas todas elas serão remédios para nossas doenças morais, e evitarão que bilhões de espíritos sejam exilados. Com esta nova visão, restauramos o aspecto Consolador do Espiritismo e somos capazes de compreender com mais clareza o comportamento que nos cabe diante do novo Mundo de Regeneração.

Leia a seguir a íntegra da mensagem de Bezerra de Menezes:

“Estamos agora em um novo período. Estes dias assinalam uma data muito especial: a data da mudança do Mundo de Provas e Expiações para Mundo de Regeneração.

A grande noite que se abatia sobre a Terra lentamente cede lugar ao amanhecer de bênçãos. Retroceder não mais é possível.

Firmastes, filhas e filhos da alma, um compromisso com Jesus antes de mergulhares na indumentária carnal, de servi-lo com abnegação e devotamento. Prometestes que lhe serieis fiel, mesmo que vos fosse exigido o sacrifício.

Alargando-se os horizontes deste amanhecer que viaja para a plenitude do dia, exultemos juntos, os Espíritos desencarnados e vós outros que transitais pelo mundo de sombras. Mas além do júbilo que a todos nos domina, tenhamos em mente as graves responsabilidades que nos exornam a existência no corpo ou fora dele.

Deveremos reviver os dias inolvidáveis da época do martirológio. Seremos convidados não somente ao aplauso, ao entusiasmo, ao júbilo, mas também ao testemunho, o testemunho silencioso nas paisagens internas da alma, o testemunho por amor àqueles que não nos amam, o testemunho de abnegação no sentido de ajudar aqueles ainda se comprazem em gerar dificuldades tentando inutilmente obstaculizar a marcha do progresso.

Iniciada a grande transição, chegaremos ao clímax e na razão direta em que o planeta experimenta as suas mudanças físicas, geológicas, as mudanças morais serão inadiáveis.

Que sejamos nós aqueles Espíritos espíritas que demonstremos a grandeza do amor de Jesus em nossas vidas. Que outros reclamem, que outros se queixem, que outros deblaterem —que nós outros guardemos, nos refolhos da alma, o compromisso de amar e amar sempre, trazendo Jesus de volta com toda a pujança daqueles dias que vão longe e que estão muito perto.

Jesus, filhas e filhos queridos, espera por nós!

Que seja o nosso escudo o Amor, as nossas ferramentas, o Amor, e a nossa vida, um Hino de Amor, são os votos que formulamos os Espíritos Espíritas aqui presentes e que me sugeriram representá-los diante de vós.

Com muito carinho o servidor humílimo e paternal de sempre,

Bezerra

Muita Paz, filhas e filhos do coração.

Mensagem psicofônica do Espírito Bezerra de Menezes pelo médium Divaldo Pereira Franco, no encerramento do 3º Congresso Espírita Brasileiro em Brasília (DF) no dia 18/04/2010.

Enviado por Equipe do Blog on 08/02/2011

Fonte: Blog dos Espíritos

Mensagens enviadas

Nossa relação com a mediunidade…

Nossa relação com a mediunidade…

Não anda muito boa, como desde sempre… Continuamos idolatrando médiuns, principalmente os chamados médiuns de cura. Ainda buscamos respostas para o nosso problema pessoal X e a nossa dúvida Y na via mediúnica, o que um pouco de reflexão e a leitura edificante poderiam resolver. Mistificamos salas, mesas, objetos, reuniões, como se não houvesse Espíritos por toda a parte e todo lugar não fosse criação do Pai celestial.

Nós valorizamos ainda o livro psicografado, mesmo que nele esteja um sem-número de inconsistências; mas relegamos a segundo plano obras de encarnados fruto de longas reflexões. Confundimos as orientações mediúnicas com a vida administrativa da casa espírita; gostamos da foto daquele mentor, ilustrando as dependências da casa espírita e, ainda, fazemos filas para assistir ao maravilhoso fenômeno, como curiosos da era vitoriana.

Os Espíritos são os homens desencarnados, amigos e inimigos de ontem que se alternam conosco nas lutas da matéria. Isso Kardec já asseverava com propriedade… A mediunidade é via bendita de trabalho, na reunião mediúnica de atendimento a Espíritos sofredores, no consolo a mães aflitas, nas mensagens de esclarecimento e reflexão, como bem exemplificou na conduta mediúnica Francisco Cândido Xavier, que, apesar de suas faculdades, se mantinha a par de personalismos, na valorosa mediunidade com Jesus.

A mediunidade não é um superpoder de um herói de filme e nem uma tenda de milagres. É uma possibilidade que, se não for bem conduzida, pode enveredar para caminhos perigosos. Entretanto, o médium é ser humano, falível, com necessidades e anseios. Os Espíritos, também, homens de outras eras, estão conosco nesta caminhada evolutiva no orbe terrestre.

Por isso, insta analisarmos a nossa relação com a mediunidade, a nossa e a dos outros. O que queremos dela? O que pensamos disso? Precisamos estudar, não só os aspectos práticos e científicos da questão mediúnica, mas o seu aspecto filosófico, para não nos tornarmos vítimas de armadilhas e de ilusões.

Somente assim poderemos enxergar a mediunidade com a naturalidade que lhe é própria, ainda que requeira cuidados e preparo, como qualquer potencialidade do ser humano.

Marcus Vinicius de Azevedo Braga

Fonte: http://www.oconsolador.com.br/ano5/209/marcus_braga.html

Imagem: Google